Renda fixa x Renda variável: descubra a diferença e faça a melhor escolha!

Tempo de leitura: 3 minutos

Após se organizar financeiramente, o futuro investidor se pergunta: “como posso começar a investir?” e “como posso fazer meu dinheiro trabalhar para mim?”. Aí, então, é a hora da equipe da Clínica do Enriquecer entrar em ação! Nós ajudamos investidores independentemente de sua etapa de vida ou conhecimento e de seu montante inicial.

Antes de começarmos, leia um texto falando sobre renda fixapois lá esclarecemos dúvidas bastante frequentes entre nossos leitores.

RENDA FIXA

Renda fixa é uma forma muito interessante de aplicação cujos rendimentos desse valor são definidos no ato da contratação. Esses ativos de renda fixa costumam ser títulos de dívidas. Assim, o investidor faz um empréstimo ao órgão emissor e, no final, recebe por isso.

Assim, temos dois tipos de formas de remuneração:

– Pré-fixados:A rentabilidade do título já é definida no momento da aplicação.

– Pós-fixados:Títulos que pagam de acordo com a variação de algum índice.

Ao comprar, o investidor sabe como é feito o cálculo, mas o valor real é sabido apenas na data de vencimento estabelecida.

Estes investimentos são mais indicados a investidores conservadores, que não são acostumados a ver seu capital variar. Outro fator muito importante na hora de investir é sempre verificar o perfil do investidor.

Não podemos ignorar o temido risco, que é um dos principais fatores que separam as duas vertentes. Algumas aplicações como poupança, CDBs, LCs LCIs e LCAs possuem a cobertura do FGC (Fundo Garantidor de Crédito). Sua função é proteger o dinheiro dos investidores, assegurando que recebam suas quantias de volta, no caso do banco ou instituição vir a falir.

Tesouro Direto, CDB, LCI, LCA, LC, poupança e fundos de investimento em renda fixa são alguns tipos de aplicação em renda fixa.

RENDA VARIÁVEL 

Este é o inverso da renda fixa. Aqui, a remuneração ou cálculo de rentabilidade não é pré-definido. Dessa maneira, o investidor tem acesso aos meses antecessores e acesso à lâmina de um fundo de ações, por exemplo, para ter um parâmetro.

Neste tópico, entram fundos de ações, ações negociadas pelo próprio investidor através da Bolsa de Valores, derivativos, fundos imobiliários e Forex.

Quando se compra ações de uma empresa, o investidor se torna um sócio, fazendo com que seu patrimônio esteja atrelado à saúde da empresa. Mas ao longo do tempo este capital pode sofrer variações. Muitos não conseguem fazer este tipo de operação (compra e venda de ações) por si só e acabam colocando seu capital em um fundo de investimentos em ações que possui uma gestão profissional por trás de tudo.

Outro ponto que investidores tem que levar em consideração é que a “rentabilidade passada não é garantia de rentabilidade futura!”.

A renda variável é ótima para mesclar sua carteira. Com ela você pode ter um ganho acima de outras aplicações, como em renda fixa. Ela é uma ferramenta muito interessante para um giro curto com operações em daytrade, giro médio com operações de swing trade e a longo prazo também com operações de buy and hold. Assim o investidor atinge seu objetivo com um tempo reduzido no caso de sucesso destas operações.

Lembrando que o investidor, caso for operar por conta própria, precisa fazer uma série de considerações antes de se aventurar em renda variável, considerando, acima de tudo, seu perfil de investidor.

Para conhecer mais sobre renda fixa, renda variável, e estratégias para isso, entre em contato conosco em contato@clinicadoenriquecer.com.br

3 Comentários


  1. É um grande ponta especialmente para aqueles fresco para blogosfera.
    Simples mas muito precisos informação… Aprecio sua partilha este.
    Uma leitura obrigatória artigo!

    Responder


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *